Plantas do Cerrado Paulista

O Cerrado ocupa, no Brasil, uma área total equivalente a oito vezes a superfície do Japão. Coberta por uma vegetação de aspecto seco, sobre solo muito pobre, toda essa grande área foi considerada por muito tempo sem potencial para uso agrícola e sem valor para a conservação da natureza.

Só recentemente as pesquisas têm mostrado que isso era um equívoco. De alguns anos para cá, com o avanço tecnológico da agricultura, tem ocorrido uma rápida ocupação da região do cerrado por plantações de soja, milho e mesmo café, entre outras. Como consequência, a biodiversidade do cerrado, ainda pouco conhecida, vem sendo ameaçada.

O bioma cerrado sempre foi apresentado nas escolas brasileiras como um sistema de vegetação nativa onde predominavam árvores de cascas grossas, com troncos retorcidos, e onde o solo arenoso e a baixa umidade passavam a ideia de áreas inóspitas, em contraposição com as florestas luxuriantes e sempre verdes como a Floresta Amazônica e a Floresta Atlântica.

Embora o estudo e as fotografias tenham sido realizados nos cerrados de São Paulo, que correspondem ao limite sul de ocorrência do bioma, as espécies ilustradas, em sua maioria, são de ampla distribuição geográfica, de modo que o livro será extremamente útil para toda a área ocupada pelo cerrado.

Estudos recentes sobre a distribuição da flora do cerrado têm demonstrado que a área periférica que delimita o sul do bioma é notavelmente rica em espécies e, assim, serve como uma área representativa surpreendentemente boa, a despeito da sua distância em relação à área core.

Para desenvolver a pesquisa, este grupo de pesquisadores percorreu pelo menos 200km a pé, entusiasticamente registrando as plantas encontradas. Este livro transmite muitas das informações por eles obtidas e permitirá a outros fazer uso desse conhecimento duramente adquirido e compartilhar do entusiasmo dos autores.